Topo

Indicações & Mini-revisões

Indicações & Mini-revisões

No melhor estilo Musical Science, vou tentar falar regularmente sobre discos ou artistas legais, que tenham lançado algo interessante nos últimos tempos. Algumas dessas eu apenas ouvi um sample em .mp3, outras  posso ter comprado o disco ou ouvido de algum amigo… Enfim, são apenas indicações singelas.

Solid: In The Mind Of Pirahnahead [Mahogani 13, US, LP]
Primeiro LP do Piranhahead, um brother dessa turma de deep/Detroit house. O label é do KDJ/Moodymann. Algumas faixas aqui são house, mas com bastante influência de soul. Concordo com o que a Hardwax descreveu, e chamaria esse LP de soul moderno. Pensando bem, todos esses Detroit Houses, mesmo os valium (com aqueles teclados anestesiados), são uma espécie de soul moderno. Pense nas referências de samples (Marvin Gaye, usado direto pelo KDJ), os climas lo-fi e melados (como os melhores momentos do Leon Ware), etc…

Hieroglyphic Being: The Acid Test Pt. 1 [Mathematics 002, USA EP]
Esse foi um dos primeiros releases do Jamal Moss, e acho que um dos precursores dessa acid revival… Não sou o maior fan das coisas dele (se bem que gosto bastante de uns 3 singles, aqueles mais techno/Transmat) mas esse EP é bem legal. Sujo como os primeiros acids feitos 10 anos antes. Alias, a melhor coisa dessas produções antigas é a sujeira, tosquice, etc, pois mostra muito do clima da época. Por exemplo, a Acid Tracks do Phuture, fica muito mais legal no 12″ original pela Trax, de péssima qualidade, cheio de barulho e cliques do vinil.

Aroy Dee: Darkday [MOS 005, Holanda 12″]
O legal das coisas do Aroy são o clima Detroit retro (mas qual detroit techno que não é retro? :-). As faixas são sempre limpas, meio lentinhas, com poucos instrumentos, com baixo gordo e camas viajantes. Acho que vou tocar uma faixa na próxima Feel Surreal

Laurent Garnier : Retrospective [F Communications F255CD, França CD]
Destaque negativo! hehehe… Não compre!!! Quando eu trouxe o Laurent pra discotecar no Brasil em 1995, ninguém o conhecia. Afinal, ainda não existiam “top-DJs” por aqui e ele quase não produzia usando seu próprio nome. Assim, trouxemos-no apenas como um bom DJ, e convenhamos, ele é um ótimo DJ tecnicamente (com um gosto um pouco duvidoso, é verdade). Voltando pras produções, tirando colaborações iniciais com o Ludovic Navarre e o Shazz, e a faixa Wake Up, não tem uma única música do Laurent que eu goste! O primeiro LP, Shot In The Dark, é terrível, e os outros não melhoram muito. Então, qual o ponto de fazer uma retrospectiva? Já que as músicas deste CD são relativamente novas (algumas do LP lançado ano passado!), todas têm menos de 10 anos e podem ser facilmente encontradas em vinil… Puro comercialismo… Evite!

Kuniyuki Takahashi: We Are Together [Mule Musiq, Japão, CD]
Descobri esse japa dois dias atrás. E achei genial! Ele faz jazz, batuque, deep house, ambient, techno… demais! Esse CD contém faixas próprias e alguns remixes que estão espalhados em outras bolachas. Não sei se está disponível fora do Japão mas vale a pena procurar.

8 Comentários
  • Andre PF

    o álbum do “cabeça de piranha” é bem maneiro mesmo, assim como as produções dele junto
    com a Diviniti que eu recomendo. Quanto ao Jamal parece ser bem decente o tributo que ele fez ao ron hardy, um mix cd feito com a tecnologia que ron tinha na época chamado Sample/Pattern.

    e aproveitando o embalo da linha “soul moderno” eu indico o álbum da “Georgia Anne Muldrow” que saiu agora pela Stones Throw do mano Madlib. confira que vale a pena.

    31/08/2006 em 8:23 PM
  • Guilherme M.

    Pelo que sei, a unica tecnologia que o Ron tinha em mãos era o bom e velho gilete pra cortar a fita de rolo (wheel)…. hehehe. Han, ele tinha o Durex, tambem, pra poder unir os pedaços picotados… ;-)… Daonde você tirou esse blá de “Sample/Pattern”? Links são bem-vindos.

    31/08/2006 em 8:40 PM
  • Andre PF

    é o que tá no review da boomkat. e eu já vi esse mesmo review em outros sites,
    então acho que é o deve estar no press release oficial do jamal. ehehehe

    01/09/2006 em 10:30 AM
  • Guilherme M.

    Sample/Patrern é o título do CDr, não é a “tecnologia que o ron tinha na época”. Está explicado neste link com o press release ( http://www.discogs.com/release/709692 ).

    03/09/2006 em 4:23 PM
  • Guilherme M.

    Acho interessante desse CDr do Jamal, a ideia do “freeform”, ou seja, sem formato, ou estilo definido, apenas com músicas boas da época (seja funk, disco, italo, proto-house, jazz, electro, etc….)

    03/09/2006 em 4:27 PM
  • Mauricio Um

    Na boa Gui… Indicações é que vc faz de melhor…
    abs

    08/09/2006 em 6:57 AM
  • Guilherme M.

    Valeu Mau! Espero que você não esteja querendo dizer que os outros textos e artigos sejam ruins ou inúteis! 😉 Acho que tem público pra ambos! (afinal não é só DJ que lê este blog).

    08/09/2006 em 11:33 AM
  • garga

    ouvi esse do kuniyuki…algumas faixas são bem orgânicas, tocadas mesmo…bem tocadas! soa tudo muito limpo na musica dele, gostei!

    10/11/2006 em 5:15 PM